• Lorena Buiatti

Livros que comprei na Bienal – 2014

Olá!

Bem, para vocês verem como eu tenho um timing perfeito, vou mostrar os livros que comprei em agosto. Na verdade, acho que foi essa falta de super-urgência, sim, é falta de urgência, que me levou a desistir um pouco do jornalismo. Eu viajava, fazia matérias mais “atemporais” e depois voltava nas de “última hora” que não eram mais tão novas assim, rs. Sim, eu já escrevi diversas matérias para o Portal Uipi, filiado de uma emissora local de TV, se vocês quiserem ler algo, basta clicar aqui.

Mas enfim, a publicidade apareceu na minha vida, hoje sou mais feliz (e me formo nem que seja pela honra! rs). Vamos falar da Bienal e das preciosidades que trouxe de lá? Por favor, ao ler a última frase me imagine abraçando meus livros e dizendo “Meus preciooooosos”.


Disney Piratas:


Acredito que não preciso justificar a compra deste HQ, rs, ele é auto-explicativo: Piratas e Disney. Simples.

Um náufrago que ri – Rogério Menezes:


Um náufrago que ri é uma irreverente narrativa post-morten protagonizada pelo debochado gato Ravic, que entre umas dormidas e outras observa tudo o que se passa à sua volta durante os seus últimos meses de vida. Não somente Antonio Martiniano, seu dono e grande amor, mas todos com quem os dois convivem são dissecados pelo olhar atento e implacável de Ravic.Para dar vazão a tudo o que o gato apreende da psique humana e da realidade que o cerca, Rogério Menezes recorre a uma narrativa nada linear, repleta de digressões e intervenções espirituosas e constrói um romance ousado e divertido.

Via

As sete pragas – Sinval Ferreira Lima:


Uma saga inicialmente banal, numa cena qualquer de periferia urbana, que vai terminar além de muitas galáxias e atravessa muitos séculos e três existências de uma mesma mulher através do universo. Enquanto isso, o diabo, expulso do inferno, perdeu o posto e o rumo da própria existência: arrependeu-se e pediu clemência ao Deus criador, que lhe impôs uma sentença quase impossível: retornar ao planeta Terra e eliminar todas as Sete Pragas da existência. Sem saída, ele aceitou o desafio em troca do perdão divino. Na Terra, numa forma humana, conheceu uma impressionante jornalista que mudou seus conceitos sobre a vida, justamente aquela de que falávamos. Ambos empreenderam uma jornada faraônica para alterar os rumos do planeta para o lado do bem. Muita comédia, temperada com tragédias milenares e um final quase impossível de prever, onde três incríveis romances desenvolvem seus destinos em defesa da nossa maravilhosa humanidade.

Esse aqui eu já li – em breve sai resenha! ♥

Via

A batalha do Apocalipse – Eduardo Spohr:




Há muitos e muitos anos, tantos quanto o número de estrelas no céu, o paraíso celeste foi palco de um terrível levante. Um grupo de anjos guerreiros, amantes da justiça e da liberdade, desafiou a tirania dos poderosos arcanjos, levantando armas contra seus opressores. Expulsos, os renegados foram forçados ao exílio e condenados a vagar pelo mundo dos homens até o Dia do Juízo Final. Mas eis que chega o momento do Apocalipse, o tempo do ajuste de contas. Único sobrevivente do expurgo, Ablon, o líder dos renegados, é convidado por Lúcifer, o Arcanjo Negro, a se juntar às suas legiões na Batalha do Armagedon, o embate final entre o céu e o inferno, a guerra que decidirá não só o destino do mundo, mas o futuro da humanidade. Das ruínas da Babilônia ao esplendor do Império Romano, das vastas planícies da China aos gelados castelos da Inglaterra medieval, A Batalha do Apocalipse não é apenas uma viagem pela história humana – é também uma jornada de conhecimento, um épico empolgante, repleto de lutas heroicas, magia, romance e suspense.

Via

E aí, o que acharam? Vocês também foram em alguma Bienal esse ano? Quais foram suas aquisições literárias?

That’s all folks!

made with ♥ in MG, 2020